Treinos de Proteção

 

 

Para cumprimento das disposições legais aplicáveis, constantes dos parágrafos 16.3.5, 18.5 e 18.6 do anexo III do Regulamento (CE) n.º 725/2004, da Parte B do Código ISPS, e com vista a avaliar a eficácia do plano de proteção da instalação portuária (PPIP) e as necessidades de formação do pessoal com e sem funções de proteção, devem realizar-se treinos, pelo menos, de três em três meses, e exercícios, pelo menos uma vez por ano civil, não podendo o intervalo entre exercícios ser superior a 18 meses.

Para além dos treinos e exercícios devem ainda realizar-se auditorias regulares ao PPIP em conformidade com a frequência descrita no mesmo.

Também, o pessoal com funções específicas de proteção na instalação portuária deve receber formação em algumas ou todas as matérias descritas no parágrafo 18.2 do anexo III do Regulamento (CE) n.º 725/2004 e da Parte B do Código ISPS, conforme necessário, e cumprir com os requisitos descritos na Circular n.º 22/2015, designadamente a frequência de formação, no mínimo de 2 em 2 anos, para cada elemento com funções de proteção na IP.

 

 

Pedido de Informação (Consultoria)

Destinatários e Conclusões

 

Qualquer Instalação Portuária, enquanto activo crítico e enquadrada como Infra Critica (IC), tem responsabilidades de proteção das pessoas e dos bens que a constituem. Todos os profissionais que nela trabalham terão que se sintonizar com as atividades previstas do plano de proteção da infraestrutura (PPIP), tendo as necessárias competências para executar as tarefas de proteção solicitadas, dentro do previsto no Plano e de acordo com todas as regras definidas pela OMI.

A Densisfor Consulting tem programas de treino e exercícios que visam o alto desempenho em situações de crise, através de sistemas pré-programados, que se ajustam às necessidades da Instalação Portuária. Todas as situações são avaliadas e simuladas sendo previamente planificadas e discutidas com todos os responsáveis de segurança da sua infra-estrutura.

No final será entregue o resultado final de toda avaliação sendo emitido um relatório do estado de segurança avaliada.